06 de Março de 2009

Mulheres estão em maior número na educação superior

Não apenas na população brasileira as mulheres são maioria. Elas estão em maior número também nas universidades. Dados do Censo da Educação Superior, coletados pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), revelam que, desde 2001, o universo acadêmico registra maior número de matrículas de mulheres.

A participação masculina cresceu percentualmente de 2006 para 2007, mas o número de mulheres ainda é maior no antigo 3º grau.

De 2000 a 2007, houve um aumento de 81,14% no número total de matrículas na educação superior. A participação das mulheres aumentou 76,92% no mesmo período.

Tabela n.1 - Evolução no número de matrículas na educação superior, por gênero, no Brasil, de 2000 a 2007.

Ano

Total de matrículas

Masculino

%

Feminino

%

1.693.776  

Equilíbrio no desempenho

Enquanto o número de matrículas do sexo feminino é superior desde 2001, os resultados do Enade mostram um equilíbrio no desempenho de mulheres e homens.
Em 2005, do total de 268.425 participantes do Enade, mais da metade era do sexo feminino (153.575). A média alcançada por homens e mulheres foi muito próxima: entre as 20 grandes áreas avaliados, as mulheres alcançaram a média total de 38,63, contra 38,11 pontos obtidos pelos homens.

Tabela nº 2. Total de participantes do Enade 2005, por gênero.

TOTAL DE PARTICIPANTES DO ENADE 2005

Sexo

Concluintes

Ingressantes

Total


Tabela nº 3 - Média dos participantes do Enade 2005, por gênero, segundo área avaliada.

ANO 2005

CURSO

INGRESSANTES

CONCLUINTES

Matemática

Letras

Física

Química

Biologia

Pedagogia

Arquitetura e Urbanismo

História

Geografia

Filosofia

Computação

Ciências Sociais

Engenharia - Grupo I

Engenharia - Grupo II

Engenharia - Grupo III

Engenharia - Grupo IV

Engenharia - Grupo V

Engenharia - Grupo VI

Engenharia - Grupo VII

Engenharia - Grupo VIII

No ano seguinte, 2006, o número total de participantes do Enade subiu para 380.969. Desse total, 223.537 eram mulheres. A participação feminina foi numericamente maior mas o desempenho entre homens e mulheres foi bastante equilibrado: 39,61 de média para elas e 39,25 para eles.

Ao todo, 15 áreas foram avaliadas em 2006. As mulheres ingressantes obtiveram melhores médias em cinco delas e as concluintes, em três.

Tabela nº 4 - Total de participantes do Enade 2006, por gênero.

TOTAL DE PARTICIPANTES DO ENADE 2006

 

Concluintes

Ingressantes

Total


Tabela nº 5 - Média dos participantes do Enade 2006, por gênero, segundo área avaliada.

ANO 2006

CURSO

INGRESSANTES

CONCLUINTES

ADMINISTRAÇÃO

ARQUIVOLOGIA

BIBLIOTECONOMIA

BIOMEDICINA

CIÊNCIAS CONTÁBEIS

CIÊNCIAS ECONÔMICAS

COMUNICAÇÃO SOCIAL

DESIGN

DIREITO

MÚSICA

NORMAL SUPERIOR

PSICOLOGIA

SECRETARIADO EXECUTIVO

TEATRO

TURISMO

Em 2007, foram avaliadas 16 áreas. Um total de 185.039 estudantes fizeram o Exame. Desses, 123.649 eram mulheres e 61.390, homens. Dessa vez, a média delas foi menor: 40,94, contra 42,57 deles. As ingressantes tiveram melhor rendimento nas áreas de Agronomia, Educação Física, Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia, Fonoaudiologia, Medicina, Medicina Veterinária, Nutrição, Odontologia e Tecnologia em Agroindústria. As mulheres que estavam terminando o ensino superior alcançaram médias maiores nos cursos de Educação Física, Farmácia, Fisioterapia, Fonoaudiologia, Medicina, Medicina Veterinária, Odontologia, Tecnologia em Agroindústria e Terapia ocupacional.

Tabela nº 6 - Total de participantes do Enade 2007, por gênero.

TOTAL DE PARTICIPANTES DO ENADE 2007

 

Concluintes

Ingressantes

Total


Tabela nº 7 - Média dos participantes do Enade 2007, por gênero, segundo área avaliada.

ANO 2007

CURSO

INGRESSANTES

CONCLUINTES

AGRONOMIA

BIOMEDICINA

EDUCAÇÃO FÍSICA

ENFERMAGEM

FARMÁCIA

FISIOTERAPIA

FONOAUDIOLOGIA

MEDICINA

MEDICINA VETERINÁRIA

NUTRIÇÃO

ODONTOLOGIA

SERVIÇO SOCIAL

TECNOLOGIA DE RADIOLOGIA

TECNOLOGIA EM AGROINDÚSTRIA

TERAPIA OCUPACIONAL

ZOOTECNIA

Assessoria de Imprensa do Inep